9 de agosto de 2018

Vídeo novo no ar: vlog #1 da eurotrip - Lisboa

Ontem, dia 08/08, estreou no canal os vlogs da viagem - como prometido - e eu já estou recebendo muito amor de vocês! Preparei o conteúdo com todo carinho do mundo! Por isso, estou divulgando o vídeo aqui pelo blog também, além de estar divulgando pelas redes sociais. Espero que vocês gostem!


Tirei print (isso mesmo, PRINT!) do último vídeo para deixar vocês com vontade de assistir. Tem o Oceanário de Lisboa, Embaixada do Brasil em Lisboa, Torre de Belém, Castelo de São Jorge, e muito mais! Espia só:



Em breve vocês conhecerão junto comigo mais lugares lindos de Portugal e da Áustria! Inscrevam-se no canal e acompanhem as novidades!

Com amor,
Maria.

25 de julho de 2018

Uma tarde em Lisboa


Em uma das tardes minhas em Lisboa, fotografei a essência do lugar para vocês. Lá o azul do mar se confundia com o azul do céu, o laranja dos telhados dava o encanto à paisagem e a brisa do oceano dava gosto de estar vivendo aquele momento, naquele lugar.

Lisboa é uma das cidades mais encantadoras que eu já tive a oportunidade de conhecer. Captei algumas fotos no Castelo São Jorge, e resolvi compartilhar com vocês. Espero que gostem! 




Em cada esquina te vais
Em cada esquina te vejo
Esta é a cidade que tem
Teu nome escrito no cais
A cidade onde desenho
Teu rosto com sol e Tejo

Caravelas te levaram
Caravelas te perderam
Esta é a cidade onde chegas
Nas manhãs de tua ausência
Tão perto de mim tão longe
Tão fora de seres presente

Esta e a cidade onde estás
Como quem não volta mais
Tão dentro de mim tão que
Nunca ninguém por ninguém
Em cada dia regressas
Em cada dia te vais

Em cada rua me foges
Em cada rua te vejo
Tão doente da viagem
Teu rosto de sol e Tejo
Esta é a cidade onde moras
Como quem está de passagem

Às vezes pergunto se
Às vezes pergunto quem
Esta é a cidade onde estás
Com quem nunca mais vem
Tão longe de mim tão perto
Ninguém assim por ninguém

Manuel Alegre




18 de julho de 2018

Doce luz de Viena


Viena nunca esteve nos meus planos. Não mesmo! Aliás, a maioria dos destinos nunca foram esperados por mim. Quando fui para Europa pela primeira vez, nunca esperei voltar no continente. Agradeci imensamente a oportunidade quando estava voltando da minha primeira vez por lá, com o sonho de pisar novamente em terras européias - mal eu sabia que isso aconteceria outras duas vezes. E a vida é assim, cheia de surpresas.

A gente nunca sabe o que esperar do amanhã. Na verdade, a gente até espera coisa ou outra. Idealiza uma coisinha aqui, outra ali. Uma parte até sai como planejado, admito... Mas sempre há uma infinidade de coisas que nos esperam no futuro e a gente nem imagina.

Viena foi uma dessas coisas. Nunca imaginei conhecer - e sentir - esse país tão pequeno da Europa: a Áustria. Mais encantador do que conhecer um país, e senti-lo. Conhecer muitos conhecem, mas sentir... poucos são aqueles que sentem!

É preciso ter muita sensibilidade para não apenas viajar no lugar, mas sim, sentir a essência do lugar. Quando viajo, eu sinto que cada rua conta uma história diferente, guarda amores distintos, esboça poesia e é capaz de encher os olhos - de quem nunca passou por ali.

Talvez viajar seja isso: ver com ternura lugares que talvez você nunca mais veja. Oportunidade única: aqueles segundos são os únicos nos quais você gastará em determinado local - perante toda a eternidade da sua existência. Viajar é sair da rotina. Um lugar que é tão encantador para mim, talvez seja ultra comum para um morador. Talvez onde eu more, seja encantador para quem veio de longe. E nessas idas e vindas, que saibamos viajar em todo lugar que é novo e não rotineiro.

Que saibamos viajar na alegria de registrar a efemeridade de um segundo. Que saibamos viajar ao registrar uma simples memória. Registramos a doce luz de Viena, e se me permitirem, deixa eu compartilhar um pouco do que fizemos com toda essa luz: